Você já parou para pensar na importância da medicina do trabalho? Muito mais do que zelar pela segurança e saúde do trabalhador, ou ter um departamento cumpridor de rotinas admissionais e demissionais, dedicar-se ao tema é alavancar a estratégia da sua empresa.

Não por acaso, organizações com níveis elevados de risco ocupacional procuram manter seus registros sobre acidentes sempre atualizados. Afinal, trabalhador seguro significa mais produtividade, menos turnover e custos reduzidos com encargos trabalhistas.

Sendo assim, a prática médica em ambientes de risco potencial está diretamente ligada aos procedimentos preventivos de segurança. Quer saber mais sobre o assunto? Avance na leitura para entender de que forma sua empresa se beneficia de uma política de prevenção consistente!

Aumento na produtividade

Conforme o mapa de indicadores de acidentes de trabalho da construção civil, a taxa de acidentes por 100 mil trabalhadores é bastante elevada no país. As estatísticas para outros setores não é menos preocupante, o que indica a necessidade de avançar nas medidas de segurança em nível nacional.

O custo disso se reflete em pesadas despesas com afastamentos médicos. Segundo um estudo divulgado pela revista Veja, no Brasil, gasta-se R$ 1,00 a cada 7 minutos em virtude de acidentes de trabalho. No período entre 2012 e 2017, as despesas nesse quesito totalizaram R$ 26,2 bilhões, apenas com o pagamento de benefícios. Os números são do Observatório Digital de Saúde e Segurança do Trabalho.

Faça as contas e confira o quanto sua empresa gastaria se tivesse despesas desse porte. Considerando que os afastamentos reduzem a capacidade de produzir, a importância da medicina do trabalho aumenta e o tema se torna estratégico para qualquer organização. Lembre-se de que empresa produtiva não é somente aquela em que as metas são atingidas. Eliminar gastos ao máximo também é parte de uma estratégia para melhorar a performance.

Redução de acidentes e afastamentos

Trabalhador afastado não significa apenas mais custos e redução da produtividade. Tanto no médio quanto no longo prazo, há efeitos psicológicos, tanto individuais quanto coletivos. Esses efeitos são sentidos até mesmo depois do regresso ao trabalho, afinal, como saber se o mesmo acidente não voltará a ocorrer?

Coletivamente, acidentes repercutem entre os empregados, gerando clima de insegurança e perda de credibilidade. Empresas que não são capazes de manter seus funcionários seguros têm sua reputação arranhada. Dependendo da gravidade do acidente, o dano à imagem só é recuperado depois de muitos anos, ou seja, estamos falando de um prejuízo virtualmente incalculável.

É por isso que investir em medicina do trabalho se torna fundamental na redução do passivo provocado pelos afastamentos. Pense não apenas no desfalque financeiro, mas também nas consequências institucionais, e não deixe de cuidar da segurança das pessoas.

Melhoria na qualidade de vida dos colaboradores

Por outro lado, os aspectos intangíveis só são percebidos depois da aplicação de ações concretas no sentido de aumentar a segurança. Essas ações, por sua vez, resultam da formulação correta do Programa de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA). Seu objetivo é preservar a saúde dos trabalhadores, por meio de comunicação visual e procedimentos de segurança. Cada empresa desenvolve o seu programa, que deve ser formatado por profissionais da CIPA, a Comissão Interna de Prevenção de Acidentes.

Cumprida esta exigência, prevista na norma regulamentadora nº 09 (NR-9), é possível implementar outras medidas, visando preservar a saúde do trabalhador e melhorar sua qualidade de vida. Assim fazem empresas do setor industrial e agrícola que estimulam atividades lúdicas e de incentivo à socialização entre seus empregados.

Manter um bom clima organizacional

A partir da PPRA, sua empresa terá a base para atingir padrões de eficiência ainda mais elevados. Com menos acidentes, aumenta a confiança do funcionário a respeito de seus empregadores, gerando um sentimento de reciprocidade.

De um lado, a empresa materializa e desenvolve políticas e normas de segurança. Por parte do trabalhador, a retribuição vem na já destacada produtividade e no estabelecimento de um clima mais leve.

O bom ambiente organizacional é considerado um dos elementos mais importantes pelo trabalhador moderno. Ao lado de salário, benefícios e estabilidade, trata-se de um componente extremamente valorizado, fundamental para atrair e reter talentos.

Garantir a adequação à lei

Vimos anteriormente que a implementação da PPRA segue as determinações da NR-9. Além desta norma, há também a NR-7, que obriga a criação do Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional (PCMSO).

Trata-se da aplicação de rotinas médicas e de exames ambulatoriais, cujo objetivo é detectar possíveis efeitos do ambiente na saúde do trabalhador. Há doenças, síndromes e lesões que devem ser detectadas precocemente, já que, se estabelecidas, podem ser irreversíveis.

A medicina do trabalho, portanto, atua a partir da PPRA, de onde se origina a PCMSO. Além desses, temos outros programas e procedimentos para aumentar a segurança no trabalho. Confira!

Mapa de risco

Na indústria, canteiros de obras, deques de construção de embarcações e outros ambientes com potencial perigo ao trabalhador, utiliza-se o mapa de risco. Como o nome indica, é uma sinalização que alerta para o tipo de risco presente em um determinado local.

Os ambientes são sinalizados com círculos, que variam de tamanho conforme o grau da ameaça. Círculos pequenos indicam risco baixo, médios apontam para possíveis perigos e círculos grandes para ameaças à vida, inclusive mutilações e doenças que não podem ser neutralizadas.

Laudo Técnico das Condições Ambientais de Trabalho (LTCAT)

Documento que serve como registro dos agentes nocivos existentes no ambiente de trabalho, o LTCAT mede o grau de insalubridade ou periculosidade para o colaborador. A partir de seus apontamentos, é possível adotar as medidas de segurança e prevenção cabíveis.

Perfil Profissiográfico Previdenciário (PPP)

Já o PPP consiste em um histórico de cada trabalhador, no qual ficam armazenadas informações relativas ao seu passado médico. Resultados de exames, perícias e laudos são registrados em detalhes. Posteriormente, o PPP serve como base para a Previdência Social ao instituir benefícios ou para o trabalhador dar entrada na aposentadoria. Deve ser entregue ao seu titular em caso de demissão.

Como implementar na sua empresa

Tendo em vista o cumprimento das normas, não se pode dispensar o apoio de especialistas na hora de planejar e manter políticas de segurança laboral. Como vimos, são muitos procedimentos que exigem a participação de técnicos de segurança do trabalho, médicos e profissionais dedicados. Eles conhecem melhor do que ninguém a importância da medicina do trabalho e são os mais indicados para fazer valer as regras em sua empresa.

Quer garantir a adequação às normas e a segurança no seu ambiente de trabalho? Faça contato agora mesmo, seus trabalhadores merecem esse cuidado!